Poemas que marcaram a minha vida...

terça-feira, 21 de julho de 2009

Colóquio


(imagem retirada da Net)


Duvida das palavras...
Nunca disseram nada.
Palmeira no deserto
Da expressão,
O mais que dão
É sombra aos sentimentos,
Nos momentos
Em que o sol é uma cruz de expiação.

Ouve o silêncio - a voz universal.
Só ele é o verdadeiro confidente
Do coração de tudo.
Poeta angustiado
E penitente,
Mudo
A teu lado
É que eu sou transparente...



Miguel Torga

7 comentários:

Lago Mudo disse...

O silêncio é a mais doce melodia do mundo...

"O TEU SILÊNCIO é uma nau com todas as velas pandas...
Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso...
E o teu sorriso no teu silêncio é as escadas e as andas
Com que me finjo mais alto e ao pé de qualquer paraíso..." Fernando Pessoa

A.S. disse...

Vou publicar o silêncio
numa única palavra
para que diga tudo
semente, desejo, paixão...

E numa palavra hei-de ouvir
também o teu silêncio,
essa guitarra crescendo,
suavemente infinita!


Beijos meus Alexxa...

Pena disse...

Simpática Amiga:
uma "transparência" notável e bela na escolha poética.
Uma capacidade artística melódica que vive de encanto. Deslumbre.
Aqui tudo é "Arte" perfeita.
OBRIGADO pela simpática e doçura da sua visita.
É talentosa. Perfeita e existe "mergulhada" nesse fabuloso talento que é o seu.
Beijos de um respeito imenso.
Com estima...

pena

Bem-Haja, pelo génio que "mora" em si.
Uma sensibilidade admirável. Sublime de valor incalculável.
Excelente! Fantástico.

A.S. disse...

Alexxa... vim reler-te e deixar-te o meu beijo!

Nilson Barcelli disse...

Não conhecia este poema.
O tema foi tratado por outros poetas, mas o Miguel Torga fez um grande poema, muito à sua medida.
Querida amiga, obrigado pela partilha.
Beijo.

MCampos disse...

Alexandra, não conhecia este seu blog. E perdi-me na leitura das suas escolhas. Tudo poetas que eu própria admiro. Miguel Torga é um deles e este poema é lindíssimo.

Um beijinho e boa semana.

Frank disse...

Entiendo poco el portugués, pero es magnífico el espíritu de este blog.

Un abrazo a su autora, Frank Ruffino.